Energia solar lidera a transição energética no Brasil

transição energética

Segundo levantamento da Bloomberg New Finance (BNEF), a geração solar distribuída é o mercado que mais movimenta investimentos em transição energética no Brasil. O segmento, referente a sistemas de energia solar de pequeno porte voltados para consumo residencial, comercial e rural, representou US$ 13,4 bilhões em aportes somente em 2022.

Levando em conta o segmento de geração centralizada, que corresponde a grandes usinas fotovoltaicas conectadas ao sistema elétrico brasileiro, o montante investido na fonte solar em 2022 chega a US$ 17,4 bilhões. O setor de renovável como um todo somou US$ 24,9 bilhões no país apenas no ano passado.

“Excluindo a China, o Brasil é o mercado emergente que mais investiu em transição energética no mundo, muito por causa da energia solar. Na nossa perspectiva, ela será a maior fonte de geração elétrica do país em 2050, com 30% de participação na matriz” ~ Vinicius Nunes, analista de soluções climáticas da BNEF

No final do ano passado, o Brasil já se posicionava entre os dez países do mundo com maior capacidade instalada de energia solar. O analista da BNEF indicou que, mesmo com esse forte crescimento recente, o potencial de expansão ainda é enorme. “Mesmo na geração distribuída, o Brasil ainda está atrás de vários países, mesmo com mais possibilidade de explorar esse recurso. Pode parecer que esse mercado já está saturado, mas na verdade ele é muito vasto.” Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil já conta com 89,9 milhões de unidades consumidoras de energia elétrica, das quais apenas 3,2 milhões são beneficiadas pela geração solar distribuída.

A relação entre o custo de investimento na tecnologia fotovoltaica e os preços de energia elétrica no Brasil é um dos principais fatores para a perspectiva de crescimento do mercado solar no país. E além de mais baratos, os painéis se tornam cada vez mais eficientes. Atualmente, os módulos têm uma eficiência em torno de 21%, que poderá chegar a 34% em 2050. Dessa forma, com a mesma quantidade de dinheiro, será possível gerar mais energia.

Outros fatores que devem elevar a demanda por energia solar no país são o avanço da eletrificação do transporte e a produção de hidrogênio verde. BNEF estima que, em 2050, o Brasil estará entre um grupo de países em que a participação de vendas de veículos elétricos no total do mercado será de cerca de 50%. 

Veja mais Notícias

Conheça o Azume

Compartilhe esta notícia:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se para receber novidades e promoções

© 2023 · E4 Energias Renovaveis© – CNPJ 41.142.800/0001-24 / Azume Tecnologia LTDA - CNPJ 49.305.545/0001-03 - Todos os direitos reservados
plugins premium WordPress