Entendendo a fatura de energia

energia solar fotovoltaica tem se tornado cada vez mais popular como uma solução sustentável e econômica para a geração de energia elétrica no mundo todo, e no Brasil não é diferente.

Para você que trabalha no setor solar, é muito importante estar preparado para oferecer esse serviço para diferentes tipos de clientes, seja ele um cliente residencial, comercial ou industrial.

Este post vai explicar tudo que você precisa saber sobre a fatura de energia do Grupo A

LEIA MAIS: Fatura do Grupo A: Guia Completo

Introdução

Para você entender uma conta de energia, uma dica valiosa é digitar o seguinte no Google:

Por exemplo, se a sua concessionária de energia é a CEMIG, você vai digitar: Entenda sua conta CEMIG

Ou então, se sua concessionária é a EDP, digite: Entenda sua conta EDP

Quando fizer isso, você vai encontrar resultados como esse aqui:

Note que a própria concessionária explica de forma detalhada cada campo da sua fatura de energia, e aqui você já começa a desvendar o que cada coisa significa.

Dentro de uma fatura de energia, existem fatores definidos pela ANEEL que as concessionárias são obrigadas a colocar.

Você vai encontrar diversas informações comuns ao olhar para duas faturas de energia de diferentes concessionárias, o que muda é que cada uma pode colocar as informações em locais diferentes.

Baixe o e-book exclusivo: Como ler e interpretar faturas do Grupo A

Para entender bem a fundo, vamos pegar uma conta de energia real do Grupo A e analisar alguns campos principais que precisamos olhar, principalmente para quem quer dimensionar sistemas fotovoltaicos para esses consumidores.

Essa é uma conta real da EDP São Paulo. Nos dados do contrato vamos descobrir fatores importantes:

Entendendo os Dados

1. Grupo e subgrupo da unidade consumidora: Note que essa unidade, de fato, é uma unidade consumidora pertencente ao Grupo A e o seu Subgrupo é o A4, ou seja, é atendida por uma tensão entre 2,3 e 25 kV (kilovolt)

2. Modalidade tarifária: Lembra que falamos anteriormente que para o Grupo A existiam as modalidades Verde e Azul? Essa unidade faz parte da modalidade tarifária horária verde.

3. Tensão contratada: 13.800 Volts ou 13,8 kV (kilovolts). Note que é uma tensão que está dentro da permitida para o subgrupo A4.

4. Demanda Fora Ponta: 150 kW (quilowatt). Neste ponto, para ficar mais claro, vamos precisar analisar outros dois fatores já já.

5. Horário de ponta: Para a EDP São Paulo, especificamente, o horário de ponta, que é o período composto por 3 horas diárias consecutivas, é de 17:30 a 20:30. Isso quer dizer que neste período o valor da tarifa vai ser bem mais alto.

Repare que no campo Demanda Ponta não tem nenhum valor marcado. Por que isso?

Este é um fator que definimos anteriormente e que tem a ver com a modalidade tarifária horária verde. Lembre-se que, para esse tipo de modalidade, existe apenas uma tarifa para a demanda, sem segmentação horária.

Demanda Contratada e Demanda Medida

Para prosseguir, vamos precisar entender também a diferença entre demanda contratada e demanda medida.

Antes de analisar o campo demonstrativo de valores, onde estão as informações mais valiosas e que geram mais dúvidas, primeiro precisamos entender melhor como é formada a tarifa de energia.

De forma resumida, a tarifa de energia é formada pela Tarifa de Energia (TE), que são os custos com a aquisição de energia pela distribuidora decorrentes da contratação de montantes de energia por meio dos leilões regulados, mais os encargos.

E também pela Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição (TUSD), que são todos os custos relativos ao uso do sistema de distribuição.

A soma da TE e TUSD nos dá o valor total da tarifa de energia.

Algumas concessionárias fazem essa divisão (de TE e TUSD) na própria conta de energia, o que facilita bastante o entendimento da cobrança desses fatores. E este é o caso da EDP, por isso foi preciso abrir esse parêntese.

Entendido isso, vamos para o campo demonstrativo de valores:

1. 0605 TUSD – Consumo Ativo Ponta – Este foi o consumo da unidade consumidora no período entre 17:30 e 20:30. O consumo na ponta medido neste mês foi de 101,1675 kWh. Note que existe um campo com o valor da tarifa aplicada (R$) sem impostos e também um campo de tarifa com impostos.

Exemplos

O campo sem impostos é apenas um demonstrativo para analisar quanto seria a fatura sem os impostos, mas o valor final cobrado será sempre com impostos. Você pode notar que no campo valor total, o resultado é a multiplicação entre o consumo em kWh, que neste caso foi de 101,1675 kWh, pelo valor da tarifa c/ impostos.

TOTAL = 101,1675 x 1,04875578 = R$ 106,10.

2. 0605 TUSD – Cons Ativo FPonta Ind. – Este foi o consumo no horário fora de ponta, no período onde o fator de potência precisa ser acima de 0,92 indutivo. O valor medido foi de 481,7295 kWh e o valor da tarifa com impostos considerando a TUSD é de R$ 0,12338875, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 481,7295 X 0,12338875 = R$ 59,44.

3. 0605 TUSD – Cons Ativo FPonta Cap. – Este foi o consumo da unidade consumidora no horário fora de ponta, no período onde o fator de potência precisa ser acima de 0,92 capacitivo. O valor medido foi de 367,2165 kWh e o valor da tarifa com impostos considerando a TUSD é de R$ 0,12338770, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 367,2165 X 0,12338770 = R$ 45,31

4. 0601 TE – Consumo Ativo Ponta – O consumo ativo ponta é igual tanto para TUSD quanto para TE. O que diferencia é o valor da tarifa para cada componente. Veja que o consumo continua 101,1675 kWh, mas o valor da tarifa com impostos agora é R$ 0,52329058, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 101,1675 X 0,52329058 = R$ 52,94.

4. 0601 TE – Consumo Ativo Ponta – O consumo ativo ponta é igual tanto para TUSD quanto para TE. O que diferencia é o valor da tarifa para cada componente. Veja que o consumo continua 101,1675 kWh, mas o valor da tarifa com impostos agora é R$ 0,52329058, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 101,1675 X 0,52329058 = R$ 52,94.

Obs.: Como falado anteriormente, algumas concessionárias fazem essa divisão de TUSD e TE, mas não são todas.

Por exemplo, na CEMIG, em Minas Gerais, o cálculo seria feito considerando o valor total da tarifa de energia na ponta.

Ou seja, pegaria o valor da TUSD R$1,04875578 + TE R$0,52329058 = R$1,57204636 e multiplicaria pelo consumo de 101,1675 kWh, totalizando R$159,04. Que é o mesmo valor das duas separadas. Lembre-se: este é só um exemplo didático, pois a tarifa de energia varia para cada concessionária.

5. 0601 TE – Cons Ativo FPonta Ind. – Este foi o mesmo consumo considerado na TUSD (481,7295 kWh), a diferença é que o valor da tarifa com impostos está considerando agora a TE, que é de R$ 0,33670348, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 481,7295 X 0,33670348 = R$162,20

6. 0601 TE – Cons Ativo FPonta Cap. – Este foi o mesmo consumo considerado na TUSD (367,2165 kWh), a diferença é que o valor da tarifa com impostos está considerando agora a TE, que é de R$0,33672234, totalizando uma cobrança de: .

TOTAL = 367,2165 X 0,33672234 = R$123,65

7. Demanda – Este é o valor da Demanda Medida, que é a maior demanda de potência ativa injetada ou requerida do sistema elétrico de distribuição pela carga ou geração, verificada por medição e integralizada em intervalos de 15 minutos durante o período de faturamento, em kW (quilowatts).

Neste caso, a demanda medida foi de 12,30 kW. O valor da tarifa de demanda é de R$12,57804878, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 12,30 X 12,57804878 = R$154,71

8. Demanda Não Utilizada – Lembra que no campo de Dados do Contrato a demanda contratada era de 150 kW? O que acontece é o seguinte: a demanda contratada é como se fosse o custo de disponibilidade (conhecida também como taxa mínima) dos consumidores do Grupo B.

Independentemente se utilizar ou não os 150 kW, sempre vai pagar por ele. Ou seja, se o medidor marcou somente 12,30 kW, faltam 137,70 kW para chegar em 150 kW.

A tarifa para a demanda não utilizada é de R$10,31379811, note que o valor é um pouquinho menor que o da demanda medida, pois não é aplicado ICMS sobre ela, totalizando uma cobrança de:

TOTAL = 137,70 X 10,31379811 = R$ 1.420,21

Observações

Mas aqui podemos perceber algo de muito errado com essa conta, o consumidor está literalmente jogando dinheiro no lixo.

A demanda contratada está com um valor muito superior ao que ele realmente precisa e está pagando por algo que não usa.

Nos casos onde a demanda medida for maior que a demanda contratada, o consumidor vai precisar pagar uma multa por ultrapassagem de demanda.

Então é preciso ter muita atenção no momento de fazer o contrato com a distribuidora. Por isso é comum que clientes do Grupo A procure por consultoria para otimizar a sua conta de energia.

9. ERE-Energia Reativa Excedente – A energia reativa não é cobrada na fatura de energia, pois ao contrário da ativa, ela não realiza trabalho. Ou seja, é aquela que circula entre os diversos campos elétricos, expressa em kVARh (kilovolts ampère hora). Porém, caso o fator de potência esteja abaixo de 0,92, seu excedente é cobrado a título de multa.

Neste caso, foi cobrado uma multa por 15,129 kWh, onde o valor da tarifa com impostos é de R$0,35230352, totalizando uma cobrança de: .

TOTAL = 15,129 X 0,35230352 = R$ 5,33

10. CIP – Contribuição Municipal – Este valor vai depender de cada cidade, de acordo com a lei municipal. Neste caso foi cobrado R$ 32,70 para a iluminação pública.

Então, no final das contas, o total da fatura de energia será a soma de todas essas componentes, totalizando uma cobrança para essa conta de R$2.162,59.

Outro campo muito importante a ser olhado, é o histórico de consumo:

Neste campo você vai conseguir calcular a média de consumo na ponta e fora ponta do último ano, que são valores utilizados no dimensionamento dos sistemas fotovoltaicos. Além disso, consegue ver também o histórico de demanda medida nos últimos meses.

Compreender a fatura do Grupo A é fundamental para dimensionar adequadamente um sistema fotovoltaico e oferecer soluções personalizadas aos clientes.

E por falar em soluções personalizadas, o AZUME é a ferramenta ideal para quem está trabalhando no Setor Solar. Com o Azume e todas as dicas que você encontra aqui e no e-book Descomplicando a Fatura do Grupo A, você vai revolucionar seu negócio de energia solar fotovoltaica!

Revolucione suas vendas de fotovoltaica

Conheça o software de gerenciamento mais completo do mercado

O melhor CRM para energia solar

Teste o Azume grátis por sete dias
Clique aqui

Torne-se um profissional em energia solar

Conheça os melhores cursos para se tornar um profissional desejado no setor fotovoltaico

Energia Solar Lucrativa

Aprenda do zero a como se tornar um integrador solar com ganhos de até R$23 mil / mês
Clique aqui

Compartilhe este Artigo:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revolucione suas vendas de fotovoltaica

Conheça o software de gerenciamento mais completo do mercado

O melhor CRM para energia solar

Teste o Azume grátis por sete dias
Clique aqui

Latest post

Torne-se um profissional em energia solar

Conheça os melhores cursos para se tornar um profissional desejado no setor fotovoltaico

Energia Solar Lucrativa

Aprenda do zero a como se tornar um integrador solar com ganhos de até R$23 mil / mês
Clique aqui
plugins premium WordPress