Vale inicia geração fotovoltaica de usina Sol do Cerrado e avança com descarbonização

Usina no Norte de Minas equivalerá a 41% de toda a geração atual de energia solar do estado.
usina sol do cerrado vale

Imagem de destaque: Vale/divulgação

Na última quinta-feira (4) a Vale deu início à operação da usina de energia solar Sol do Cerrado, localizada em Jaíba, no norte de Minas Gerais. Esse marco é um passo importante para que a mineradora alcance sua meta de reduzir as emissões líquidas de carbono em 33% até 2030 e eliminá-las completamente até 2050.

A usina solar, que é uma das maiores da América Latina e corresponde a um investimento de R$ 3 bilhões, terá uma capacidade instalada de 766 megawatts-pico e alcançará sua plena capacidade em julho de 2023. Isso representará 16% de toda a energia consumida pela Vale no Brasil.

Para entender a magnitude do projeto, a Sol do Cerrado sozinha corresponderá a 41% de toda a geração de energia solar em Minas Gerais e a 10% do Brasil atualmente, de acordo com cálculos da própria mineradora. A gerente-executiva de Energia da Vale, Ludmila Nascimento, ressaltou que a conclusão do projeto é um resultado dos compromissos de descarbonização assumidos pela empresa em 2019. A Vale também planeja alcançar 100% de consumo de eletricidade renovável no Brasil até 2025 e globalmente até 2030.

A energia gerada pela Sol do Cerrado reduzirá as emissões da Vale em 134 mil toneladas de CO2 equivalente por ano, o que é aproximadamente equivalente às emissões de 100 mil carros compactos. A Vale é uma das maiores consumidoras de eletricidade do Brasil e, em 2021, cerca de 99% da eletricidade consumida pela empresa já era proveniente de fontes renováveis.

O projeto da usina solar Sol do Cerrado é composto por 17 subparques, dos quais quatro já estão em operação. Quando estiver totalmente operacional, contará com 1,4 milhão de placas solares com um sistema de rastreamento automático do movimento solar para otimizar a captação de energia solar. Além disso, serão utilizados 10,2 milhões de metros de cabos para a transmissão da energia gerada. A Vale também está construindo uma linha de transmissão de 15 quilômetros, com tensão de 230 mil volts, para conectar as subestações Coletora Sol do Cerrado e Jaíba, por onde a energia será distribuída para o Sistema Interligado Nacional (SIN).

As obras do Sol do Cerrado começaram em janeiro de 2021 e geraram cerca de 3 mil empregos no pico das atividades, sendo quase 50% de mão de obra local e com a participação de 16% de mulheres. Quando atingir sua capacidade máxima de operação, a usina Sol do Cerrado contará com 90 trabalhadores permanentes de diversas qualificações.

Compartilhe esta notícia:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress