Engenheiro eletricista: o que faz, salário e o futuro das energias renováveis

engenheiro eletricista

No cotidiano de qualquer pessoa, há um consumo constante de energia elétrica. Praticamente tudo ao nosso redor depende de eletricidade. Mas, por trás de tudo isso, há um profissional qualificado e especializado para que essa energia chegue aos consumidores finais e tudo funcione perfeitamente: o engenheiro eletricista.

Mas afinal, o que você sabe sobre esse profissional? O que ele faz exatamente, seu papel nas indústrias, os setores e áreas de atuação, salários, etc.? 

O que é um engenheiro eletricista?

Nos dias de hoje, é completamente impossível imaginar nossa vida sem energia elétrica. Praticamente tudo o que fazemos envolve o consumo de eletricidade, não é mesmo? Ligar um interruptor, assistir a séries ou filmes, guardar comida na geladeira, mexer no computador, entre outras atividades. Todas essas ações dependem de energia elétrica. E, por trás dela, sempre há o trabalho do engenheiro eletricista.

Esse profissional é extremamente essencial para o funcionamento de diversos setores e até mesmo para que eventos de grande escala possam ocorrer. Há alguns anos, no Brasil, tivemos eventos esportivos de dimensão mundial, como a Copa do Mundo FIFA de 2014 e as Olimpíadas de 2016. E, em 2019, aconteceu a Copa América de futebol.

Para que esses eventos de grande porte pudessem ocorrer, diversos fatores precisam funcionar bem: aeroportos, linhas de trem, metrôs, ônibus, estádios, hoteis, etc. Entre esses fatores, é fundamental ter um sistema de energia elétrica eficaz para que tudo possa ser abastecido corretamente.

Responsável pela construção e manutenção de sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, o engenheiro eletricista atua, principalmente, em empresas e indústrias que fabricam ou utilizam equipamentos elétricos e sistemas de automação.

Exemplos práticos incluem grandes construtoras, empresas de telecomunicação, fabricantes de sistemas elétricos e aparelhos eletrônicos, além de companhias que possuem linhas de montagem. Mais recentemente temos os mercados de energias renováveis em franco crescimento, principalmente a eólica e solar. Onde os profissionais podem atuar como integradores.

LEIA MAIS: Tendências para a matriz energética brasileira

Qual é o termo correto, engenheiro elétrico ou engenheiro eletricista?

De fato, o mais correto é “engenheiro eletricista”. A justificativa, que pode parecer muito literal, é que o outro termo herdaria o adjetivo “elétrico”. Ou seja, se interpretado literalmente, dizer que alguém é um “engenheiro elétrico” poderia sugerir que a pessoa é carregada eletricamente ou capaz de dar choque.

Contudo, o mesmo argumento não se aplica a outras áreas. Por exemplo, um jornalista esportivo não é necessariamente um atleta; ele é um profissional do jornalismo especializado em esportes. Um físico nuclear não é radioativo. Diversas profissões herdam adjetivos de suas áreas de atuação sem sofrer com o literalismo.

No entanto, no caso da engenharia elétrica, é mais sensato utilizar o título “engenheiro eletricista” em situações formais, conforme definido pelo CONFEA/CREA (Conselho Federal e Regional de Engenharia e Agronomia). Esse é o título impresso na carteira profissional.

Áreas de atuação de um engenheiro eletricista

integradores de energia solar
integradores de energia solar

O engenheiro eletricista planeja, constroi e mantém sistemas para geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, visando levar eletricidade a toda a população de forma segura e eficiente. Como mencionado no início, praticamente tudo em nosso cotidiano depende de energia elétrica, tornando o papel do engenheiro eletricista vital em diversas áreas de atuação.

Mercado de trabalho

Esse profissional pode atuar em órgãos públicos (como secretarias, ministérios e instituições municipais, estaduais e federais) e na iniciativa privada. O mercado de trabalho para engenheiros eletricistas está aquecido. Grandes obras de infraestrutura, a expansão das telecomunicações e investimentos em energia renovável aumentam a demanda por esses profissionais.

Algumas das empresas que mais contratam engenheiros eletricistas são:

  • Usinas;
  • Subestações;
  • Linhas de transmissão;
  • Empresas de telecomunicações;
  • Construtoras;
  • Indústrias que fabricam sistemas elétricos e de automação.

O futuro da profissão do engenheiro eletricista

Investir na carreira de engenheiro eletricista é muito vantajoso. Nos últimos anos, o setor foi um dos que mais cresceram no Brasil, atraindo investimentos em energias renováveis, como a solar e a eólica.

Investimentos em energias renováveis

Futuros profissionais e aqueles que já atuam na área devem ficar atentos às energias renováveis, que recebem cada vez mais investimentos. Esses investimentos aquecem o setor, aumentando a demanda por mão de obra qualificada. Portanto, é interessante estudar e especializar-se nesses segmentos promissores.

Existem cursos específicos para aqueles que buscam se especializar no setor de energia solar. O Energia Solar Lucrativa é um curso que ensina do Zero a como ingressar nesse setor que é um dos que mais cresce no Brasil.

Crescimento na pesquisa e ensino

O aquecimento do setor também aumenta a demanda por formação de novos profissionais e pesquisa de novas soluções e tecnologias. Isso abre um mercado para engenheiros eletricistas interessados em seguir carreiras acadêmicas ou de pesquisa, em universidades ou institutos de pesquisa.

Incentivo à geração de energia eólica

A energia eólica é um dos setores que mais recebem investimentos atualmente. Segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica, a cada megawatt instalado, são gerados (direta e indiretamente) 15 empregos. O Brasil está na oitava posição mundial em capacidade instalada de energia eólica, representando cerca de 14% de todo o sistema nacional.

Incentivo à geração de energia solar

No mesmo ritmo da energia eólica, a solar fotovoltaica também vem em ritmo acelerado, com a criação de grandes usinas fotovoltaicas e principalmente das micro usinas de geração solar que representam hoje a maior parcela das instalações. E é onde os integradores mais atuam, planejando e instalando sistemas fotovoltaicos para consumidores finais, residências e empresas. 

LEIA MAIS: Energia solar atinge 16,8% da matriz elétrica no Brasil

Conclusão

A carreira de engenheiro eletricista, como vimos, possui perspectivas muito boas. Além de ser um setor que paga bem seus profissionais, oferece ótimas perspectivas de crescimento e alternativas para quem deseja ingressar no mercado da engenharia elétrica.

Revolucione suas vendas de fotovoltaica

Conheça o software de gerenciamento mais completo do mercado

O melhor CRM para energia solar

Teste o Azume grátis por sete dias
Clique aqui

Torne-se um profissional em energia solar

Conheça os melhores cursos para se tornar um profissional desejado no setor fotovoltaico

Energia Solar Lucrativa

Aprenda do zero a como se tornar um integrador solar com ganhos de até R$23 mil / mês
Clique aqui

Compartilhe este Artigo:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Revolucione suas vendas de fotovoltaica

Conheça o software de gerenciamento mais completo do mercado

O melhor CRM para energia solar

Teste o Azume grátis por sete dias
Clique aqui

Latest post

Torne-se um profissional em energia solar

Conheça os melhores cursos para se tornar um profissional desejado no setor fotovoltaico

Energia Solar Lucrativa

Aprenda do zero a como se tornar um integrador solar com ganhos de até R$23 mil / mês
Clique aqui
plugins premium WordPress