Tendências para a matriz energética brasileira

matriz energética brasileira

A matriz energética brasileira é a soma de todas as fontes geradoras de energia utilizadas em todo o país.  Ainda hoje, mais da metade de toda a matriz energética do Brasil são de fontes não renováveis como os combustíveis fósseis por exemplo. O valor chega a aproximadamente 55% e apesar disso o Brasil ainda é um dos países que possuem a matriz energética mais limpa do mundo. 

Composição da matriz energética brasileira

Sendo um país tão grande é natural que exista uma diversidade proporcional entre as fontes de energia que o país utiliza. Pois em cada região pode-se ter um melhor aproveitamento de cada uma delas. Entre elas podemos citar:

  • Hidrelétricas;
  • Solares fotovoltaicas;
  • Eólica;
  • Biomassa;
  • Combustíveis fósseis.

Sendo que dessas, a energia hidrelétrica é a predominante na geração de energia no Brasil. Ela equivale a aproximadamente 60% de toda a capacidade de geração instalada em todo o país. Isso se deve muito a grande abundância de rios e recursos hídricos presentes em diversas regiões.

Além disso, o Brasil está investindo pesado para aumentar sua capacidade de geração de energia solar e eólica. Em regiões como o Nordeste que apresentam uma grande incidência de luz solar por longos períodos do dia, a produção de energia solar fotovoltaica vem sendo implementada e a criação de parques e usinas solares se tornam cada vez mais presentes. Assim como toda a extensa costa brasileira oferece condições ideais para a produção de energia eólica. 

Empresas do exterior têm entrado no mercado brasileiro e investido pesado para tornar a matriz energética brasileira cada vez mais renovável e sustentável. Um exemplo disso é o parque solar de Nova Olinda no Piauí  que será o maior parque solar da américa latina. Um investimento do Grupo espanhol “Cobra”.

Desafios e oportunidades

Apesar das grandes vantagens que as fontes renováveis trazem, o Brasil tem uma dependência histórica da energia proveniente das hidrelétricas. Além disso, a energia hidrelétrica apesar de ser considerada renovável tem algumas questões ambientais associadas a ela, como a construção de grandes barragens que podem causar a destruição de grandes áreas de terra e habitats.

O desafio de utilizar fontes menos agressivas como a fotovoltaica e a eólica depende muito da inovação e desenvolvimento tecnológico. Investimentos em armazenamento de energia utilizando baterias (principalmente de lítio) tem permitido uma integração mais eficiente das fontes de energia. 

Crescimento da matriz energética

Até Abril de 2023 a matriz energética brasileira havia crescido 3.3 GW. O crescimento da capacidade instalada foi de 3.343.1 megawatts (MW) nos primeiros meses de 2023 e desse total, cerca de 49,15% vieram de usinas eólicas e 37,19% de usinas solares fotovoltaicas. 

Além disso, os dados mostram que em um único mês (Abril) o crescimento da matriz energética brasileira foi de 593.0 MW e o estado que apresentou maior crescimento foi o de Minas Gerais, que correspondeu a 231.0 MW.

Diferença entre o Brasil e o Mundo

Matriz energética mundial

Podemos dizer que a matriz energética mundial está na contramão da matriz energética brasileira. Dados da Agência internacional de energia mostram que 85% da matriz energética mundial são provenientes de fontes não renováveis. E destes, somente os combustíveis fósseis representam 80%. 

Quando falamos das fontes renováveis, os biocombustíveis e a biomassa são as mais utilizadas mundo afora, representando 9,8% de toda a matriz energética mundial.

  • Petróleo – 29,5%
  • Carvão Mineral – 26,8%
  • Gás Natural – 23,7%
  • Biocombustível e Biomassa – 9,8%
  • Nuclear – 5%
  • Hidráulica – 2,7%
  • Outras – 2,5%

Matriz energética brasileira

No Brasil, mais da metade da energia elétrica gerada é proveniente de hidrelétricas. Considerando todas as fontes renováveis a porcentagem correspondente em toda a matriz energética é de 78,1%. Por isso o país é considerado uma das matrizes mais limpas ou renováveis do mundo. 

  • Hidráulica – 56,8%
  • Gás Natural – 12,8%
  • Eólica – 10,6%
  • Biomassa – 8,2%
  • Carvão e derivados – 3,9%
  • Derivados de petróleo – 3%
  • Solar – 2,5%
  • Nuclear – 2,2%

Futuro e inovações

A expansão da mobilidade elétrica e o uso cada vez mais crescente de veículos movidos a energia limpa são oportunidades para o setor energético mudar a sua principal fonte de energia. Além disso, investimentos em infraestrutura e redes inteligentes têm sido essenciais para suprir a transição cada vez mais para energias renováveis. 

A Tesla tem sido um pilar quando o assunto é pesquisas para o setor de energia renovável. Recentemente foram apresentadas duas novas tecnologias que podem mudar completamente o destino da geração de energia solar fotovoltaica. 

A primeira delas foi uma bateria que pode durar até 100 anos.

Você pode ler mais sobre ela neste artigo: Nova tecnologia pode revolucionar o armazenamento de energia

A segunda foi a de um painel solar móvel 10x mais barato e eficiente.

Você também pode ler mais sobre isso neste artigo: Novo painel solar apresentado por Elon Musk pode ser 10 vezes mais barato e eficiente

Conclusão

Embora o Brasil seja uma referência global para uma matriz energética mais limpa, ainda temos um longo caminho a percorrer até atingirmos os nossos objetivos de preservação e sustentabilidade ambiental.

Os combustíveis fósseis embora tenham suprido a nossa demanda por energia durante anos, trouxeram um grande dano ao nosso meio ambiente e caso não sejam tomadas ações imediatas para frear esses danos, o nosso planeta pode não conseguir mais se recuperar. 
Esse é o grande desafio da matriz energética brasileira e mundial. Conseguir manter o seu avanço ao passo em que transita para formas de energia sustentáveis e renováveis.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress