Projeto de Lei que limita geração distribuída e mercado livre de energia: impacto e debate

Projeto de Lei

A aprovação do regime de urgência para o projeto de lei que visa limitar a geração distribuída e o Mercado Livre de Energia no Brasil representa um movimento significativo no cenário legislativo, com potencial impacto no setor de energias renováveis.

O projeto, de autoria do deputado João Carlos Bacelar, busca impor limites à expansão da geração distribuída, restringindo a inserção das usinas de micro e minigeração distribuída e limitando o Mercado Livre de Energia a 30% do uso da rede de distribuição. Essas medidas levantam preocupações sobre o futuro desses segmentos e seu papel na transição para um sistema energético mais sustentável.

O regime de urgência permite que o projeto seja analisado e votado de forma acelerada, refletindo a percepção de urgência por parte dos legisladores. Esse mecanismo é comumente utilizado em situações em que é necessário tomar decisões rápidas, como em crises ou para atender demandas urgentes da sociedade.

No entanto, a aprovação do projeto de lei não significa necessariamente que o projeto será aprovado sem debate. A sociedade civil e os representantes do setor de energias renováveis têm a oportunidade de se manifestar e buscar alterações no texto antes da votação final no Plenário.

Entidades como o Instituto Nacional de Energia Limpa (INEL) e a Frente Parlamentar Mista da Energia Limpa (FREPEL) estão engajadas em acompanhar e negociar ajustes no projeto com os legisladores. Esse diálogo é fundamental para garantir que as políticas energéticas do país promovam o desenvolvimento sustentável e incentivem a adoção de fontes renováveis de energia.

Veja mais Notícias

Conheça o Azume

Compartilhe esta notícia:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress